FAQ’s

What  does “special educational needs” mean?

The term ‘special educational needs’ (SEN) has a legal definition, referring to children who have learning difficulties or disabilities that make it harder for them to learn or access education than most children of the same age.
Many children will have SEN of some kind at some time during their education. Help will usually be provided in their ordinary, mainstream early education setting or school, sometimes with the help of outside specialists.
http://www.direct.gov.uk/en/parents/schoolslearninganddevelopment/specialeducationalneeds/dg_4008600

The term ‘special needs’ refers to a diverse range of needs often caused by a medical, physical, mental or developmental condition or disability. Special needs can include cognitive difficulties, physical or sensory difficulties, emotional and behavioural difficulties, and difficulties with speech and language. Professionals (who have the responsibility for helping children with special needs, like paediatricians, psychologists and educators) often use a functional development approach (i.e., looking for delays in functional areas of child development) and a clinical diagnostic approach (i.e., using a set criteria to diagnose conditions or illnesses) to define special needs.
http://www.scoilnet.ie/info_specialneeds.shtm

O que se entende por (o que são?) Necessidades Educativas Especiais (NEE)?

O conceito de NEE aplica-se aos alunos que apresentem problemas sensoriais, físicos, emocionais e intelectuais e, também, os que apresentam dificuldades de aprendizagem de causa orgânica ou ambiental, de caracter permanente. As características, idiossincráticas, destes alunos impedem-nos de acompanhar o currículo regular, procedendo-se, por exemplo, a adaptações curriculares aferidas às necessidades individuais de cada um.

 

O que se entende por Dificuldades de Aprendizagem?

Podemos definir Dificuldades de Aprendizagem como uma inadaptação para a aprendizagem, que tem como consequência o atraso ou um grande avanço no nível de ensino. Alunos cujas capacidades intelectuais não se coadunam com a sua realização escolar.

 

A Educação Especial tem enquadramento legal em Portugal?

Sim, o Decreto-Lei 3/2008 regulamenta o acompanhamento, as medidas educativas e os apoios personalizados aos alunos com Necessidades Educativas Especiais.

 

O que são Medidas ou Respostas Educativas?

Decreto-Lei nº 3/2008 estabelece as seguintes medidas educativas:

a) Apoio pedagógico personalizado;

b) Adequações curriculares individuais;

c) Adequações no processo de matrícula;

d) Adequações no processo de avaliação;

e) Currículo específico individual;

f) Tecnologias de apoio.

Verificam-se, ainda, adequações curriculares específicas (pressupõe uma abordagem assente nos princípios da diferenciação e da flexibilização ao nível do currículo), como, por exemplo, a leitura e a escrita em Braille, o treino de orientação e o treino de mobilidade.

 

O que se entende por inclusão?

“Um esforço de mudança e melhoria da própria escola, de forma a proporcionar a todos as melhores condições de aprendizagem, sucesso e participação, na base das circunstâncias específicas de cada um. Inclusão é, antes de tudo, uma questão de direitos e valores, é a condição da educação democrática.” (Leitão, 2010).

 

O que é a Educação Inclusiva?

Educar de forma inclusiva significa proporcionar, sem exceção e independentemente da origem, da condição psicológica e física, da capacidade de aprendizagem, a oportunidade de usufruir de serviços educativos de qualidade. O trabalho realizado nesse sentido, deverá proporcionar o total desenvolvimento de capacidades nas diferentes áreas de vida, contribuindo para a uma crescente autonomia de forma a poderem preparar-se para a vida futura que se deseja o mais autónoma possível. A Inclusão, efetiva, assenta na igualdade de direitos e oportunidades na educação e deverá fazer uso de “…estratégias e procedimentos que proporcionem a todos os alunos as melhores condições e oportunidades de aprenderem e interagirem, solidária e cooperativamente, desenvolvendo ao máximo as suas competências académicas e sociais.” (Leitão, 2010).

 

O que é a Educação Especial?

Na Educação Especial inserem-se todos os alunos que, quer por deficiência física, motora ou mental, ou por problemas cognitivos e de aprendizagem, não conseguem acompanhar o ensino regular e por isso têm que ter uma “Educação Especial”, sendo inseridos nas Necessidades Educativas Especiais.

 

A Educação Especial e a Inclusão são realidades afastadas?

“A educação especial e a inclusão se constituem como duas faces de uma mesma moeda, ambas caminhando lado a lado, para facilitar aprendizagens, conduzindo à inserção social, harmoniosa, produtiva e independente.” (Serra, H. 2008)

 

O que é a Dislexia?

“A dislexia é uma dificuldade de aprendizagem da leitura que resulta lenta, silábica ou com erros, e que não pode ser explicada por ensino deficiente, défice cognitivo ou razões socioculturais” (Antunes, 2009).

 

O que é a Pedagogia Diferenciada?

Perrenoud (1997), citado por Santana (2000) refere que devemos “romper com a pedagogia magistral – a mesma lição e os mesmos exercícios para todos ao mesmo tempo – mas é sobretudo uma maneira de pôr em funcionamento uma organização de trabalho que integre dispositivos didácticos, de forma a colocar cada aluno perante a situação mais favorável ao seu processo de aprendizagem”.

 

Quem foi o pioneiro da Educação Especial?

Em 1801, Itard (1774 – 1840) levou a cabo, durante 6 anos, uma investigação com o “menino selvagem” ficando assim conhecido como o pai da Educação Especial.

O que é o autismo?

O autismo carateriza-se por um distúrbio do desenvolvimento que engloba um, triplo, conjunto de défices (desenvolvimento deficitário) ao nível da comunicação (verbal e não verbal) e linguagem, da interação social recíproca e do jogo imaginativo/simbólico e repertório de interesses/atividades restrito.

“É esta tríade que define o que é comum a todas elas, consistindo em dificuldades em três áreas do desenvolvimento mas nenhuma dessas áreas, isoladamente e por si só, se pode assumir como reveladora de “autismo” ”. (Jordan, 2000)

“Conviver com o autismo é abdicar de uma só forma de ver o mundo, é percorrer caminhos que nos conduzem a uma múltipla forma de ver esse mesmo mundo, é sem dúvida falar e ouvir uma outra linguagem!” (Cavaco, 2005)

 

O que é a discalculia?

Discalculia é uma disfunção neurológica com implicações na aprendizagem da matemática. Verificam-se dificuldades com as operações e conceitos matemáticos, dificuldade para decorar tabuada ou fórmulas, para realizar sequências numéricas e contagem e poder cometer trocas de números e de sinais. Ocorre em sujeitos com um grau de inteligência médio.

 

O que é a disgrafia?

Morais (2006) define Disgrafia “como uma deficiência na qualidade do traçado gráfico, sendo que essa deficiência não pode ter como causa um “deficit” intelectual e/ou neurológico”.

 

 

 

 

 

 

 

Referências Bibliográficas

Antunes, A. L. (2009). Mal-entendidos. Verso da Kapa. Lisboa.

Cavaco. A. N. (2005). O Desenvolvimento Pessoal e Profissional do Educador de Infância e suas implicações junto da Criança Autista. Dissertação de Mestrado em Psicologia da Educação Especialização em Necessidades Educativas Especiais, Faro.

Jordan, R. (2000). Educação de Crianças e Jovens com Autismo. Instituto de Inovação Educacional: Ministério da Educação.

Leitão, F. R. (2010). Valores Educativos, Cooperação e Inclusão. Luso-Española de Ediciones. Salamanca.

Santana, I. (2000). Práticas Pedagógicas Diferenciadas. Escola Moderna.